Barra do Governo Federal

Procurar no portal

Engenharia de Petróleo

O que faz

Descoberta em 2006, durante atividades e perfuração na bacia de Santos, a camada pré-sal é um dos grandes achados do setor energético do País. São aproximadamente 8 bilhões de barris de petróleo em 800 quilômetros de extensão, o que representa a consolidação do Brasil como um dos maiores produtores do chamado “ouro negro”. E um personagem essencial nesse momento certamente é o engenheiro de petróleo. Desenvolvimento de técnicas de descoberta e exploração de poços e jazidas para a produção de petróleo e gás natural são atividades desse profissional. Ele atua na indústria de petróleo, nos ramos relacionados à exploração e produção. Para isso, integra equipes multidisciplinares responsáveis pelo projeto de desenvolvimento de campos de petróleo, em geral, e no mar, em particular. O graduado na área também realiza seu trabalho e pesquisas na procura de reservatórios, desenvolvimento de campos de prospecção, extração, refino, transporte, comercialização e distribuição de petróleo e gás natural. Outra tarefa é a elaboração de equipamentos e na prestação de serviços de consultoria para empresas do setor. Podem ainda elaborar pesquisas científicas na área de refino.

O que estuda

A graduação em Engenharia de Petróleo está estruturada em seis unidades curriculares: Núcleo de Conteúdos Básicos, Integralização Curricular, Engenharia Aplicada, Exploração e Produção, Processamento de Petróleo e Trabalho Final de Curso e Estágio Supervisionado. Nos Conteúdos Básicos são vistos os fundamentos em Física, Química e Cálculo. Na Integralização Curricular o aluno vê Princípios de Processos Químicos e Bioquímicos, Eletrotécnica, Desenho para Engenharia, dentre outras. Conteúdo como Aços e Ligas Especiais, Química do Petróleo e Máquinas de Fluxo em Processos integram a unidade Engenharia Aplicada. Já Exploração e Produção contempla estudos em Petrofísica e Perfilagem de Poços, Engenharia de Perfuração e Geologia Marinha. A unidade Processamento de Petróleo reúne estudos em Processos de Refino, Biocombustíveis, Engenharia de Gás Natural e Processos de Separação na Indústria de Petróleo.

Área de atuação/Mercado de trabalho

Mercado de trabalho aquecido, em expansão e ainda muito carente de recursos humanos. Esse é o cenário para o engenheiro de petróleo, o que representa boas oportunidades, não só de empregos, mas de qualidade salarial. Com a expansão da atividade petrolífera no País, uma das grandes contratantes tem sido a estatal Petrobras, além de empresas da iniciativa privada que atuam no setor energético. Os graduados na área podem trabalhar em grande parte da cadeiaprodutiva do petróleo, como empresas de exploração, produção e transporte de petróleo, petroquímicas, refinarias, agências reguladoras e prestadoras de serviço. Empresas de equipamento para o setor, unidades de processamento de gás natural e empresas de engenharia também são locais em que o engenheiro de petróleo pode atuar. Outras possibilidades são o desenvolvimento de estudos em institutos de pesquisa e a docência em instituições de ensino superior.

Como é o curso na UFC

O curso de Engenharia de Petróleo teve início em 2010, cuja entrada é feita anualmente para o curso de “Engenharia de Energias e do Meio Ambiente”, em um total de 120 vagas/ano. Após um núcleo básico comum de quatro semestres com outros dois cursos, Engenharia Ambiental e Engenharia de Energias Renováveis, há a divisão em três turmas de 40 alunos. O curso é diurno, possui período mínimo para conclusão de cinco anos e integra a unidade acadêmica Centro de Tecnologia, no Campus do Pici.

Mais sobre o curso

Engenharia de Petróleo - Fortaleza

Créditos

© 2017 Secretaria de Tecnologia da Informação/Divisão de Portais Universitários Ir para o topo