Barra do Governo Federal

Procurar no portal

Engenharia de Pesca

O que faz

O trabalho do engenheiro de pesca tem foco na produção e processamento de organismos aquáticos, como peixes, crustáceos e moluscos. Ele atua nas etapas de criação, reprodução, captura e processamento dos alimentos retirados das águas. Ainda são suas atribuições a pesquisa para novas tecnologias criadoras, transporte e industrialização de produtos do mar; estudo de técnicas de localização de cardumes e análise do potencial pesqueiro de cada região; além do projeto de criadouros de frutos do mar e de água doce. Ademais, o engenheiro de pesca deve analisar formas viáveis e ecologicamente corretas de exploração, embarcar para realizar o acompanhamento do processo de captura, realizar o controle sanitário do pescado – através da inspeção da qualidade e conservação – e prestar consultoria a empresas de pesca e comunidades de pescadores, visando aumentar a produção. Na área de administração e economia pesqueira, o graduado pode planejar e atuar na implantação e gerenciamento de empresas pesqueiras. Na aquicultura, o profissional pode promover a maximização e manutenção de cultivos dos mais diversos organismos, marinhos ou de água doce, quer sejam peixes, crustáceos, moluscos, algas e até rãs, aplicando métodos eficientes de criação e reprodução e propondo melhorias para suas instalações. Em microbiologia do pescado e ambiental pode trabalhar em laboratórios destinados ao controle microbiológico do pescado e do ambiente. Em tecnologia do pescado, pode trabalhar em indústrias pesqueiras atuando na conservação, beneficiamento e industrialização de produtos. Em biotecnologia, desenvolver técnicas utilizando organismos vivos ou partes destes, descobrindo novas moléculas com atividades biológicas para fins biomédicos. Além disso, atua no estudo e conservação dos diversos ecossistemas aquáticos: ambientes de água doce, estuarinos e marinhos, visando à exploração sustentável dos mesmos.

O que estuda

O curso possui uma forte formação biológica, estudando amplamente os organismos aquáticos, principalmente aqueles de interesse econômico. O engenheiro de pesca é um profissional generalista, com sólidos conhecimentos científicos e tecnológicos. Ainda integram a formação desse profissional conhecimentos na área de exatas, como Álgebra Linear e Geometria Analítica. Os estudos se iniciam por disciplinas introdutórias básicas como Cálculo, Física, Química, Biologia e Álgebra. Ao decorrer da graduação, o aluno entra em contato com Meteorologia e Climatologia Agrícolas, Economia Pesqueira, Tecnologia Pesqueira, Biologia Aquática, Máquinas e Motores Marítimos, algumas das disciplinas que compõem a integralização curricular do curso. Nas suas pesquisas, conhecimentos acerca de aspectos biológicos, químicos e físicos dos ambientes ecológicos e construções para aquicultura; além de técnicas de navegação. Dentre as possíveis especializações na área estão Aquicultura, Ecologia Aquática, Extensão Pesqueira e Técnicas de Pesca.

Área de atuação/Mercado de trabalho

Em um País com mais de 8.700 km de costa, oportunidade de trabalho é o que não poderia faltar para o engenheiro de pesca. Indústrias de produção do pescado, frigoríficos e órgãos do Governo que atuam na área ambiental são locais de atuação para esses profissionais. Uma área que oferece boas oportunidades, principalmente nas regiões Nordeste e Sul, é a Aquicultura, ou seja, a criação de peixes, moluscos, crustáceos, rãs e algas. No Ceará, é marcante a criação de peixes e camarões. Atualmente, o mercado demanda especialistas em Tecnologia do Pescado. Outra área com boas oportunidades é o cultivo de peixes marinhos.

Como é o curso na UFC

O Curso de Engenharia de Pesca foi criado em 1972. Atualmente são oferecidas 100 vagas, sendo 50 para o primeiro semestre e 50 para o segundo. A graduação é realizada em 10 semestres. O curso integra o Centro de Ciências Agrárias, no Campus do Pici.

Mais sobre o curso

Engenharia de Pesca - Fortaleza

Créditos

© 2017 Secretaria de Tecnologia da Informação/Divisão de Portais Universitários Ir para o topo